domingo, 26 de março de 2017

COISAS DO MUNDO CORPORATIVO

Pergunta que não quer calar:

Será que tem gente agindo assim no mundo corporativo?


Mande seus e-mails...(altemarketing@bol.com.br)

abraço
"ALTEMARKETING"

quarta-feira, 22 de março de 2017

DO QUE VOCÊ IRÁ SE ARREPENDER

Achei interessante esse texto e quero compartilhar com vocês:

Marshall Goldsmith*

Quais são os grandes arrependimentos que as pessoas levam consigo ao encerrar suas carreiras?Essa é uma ótima pergunta. Uma pessoa sábia aprende com a própria experiência vivida e com a de outras pessoas também. Logo, a melhor forma de responder a essa questão é perguntando a quem já passou por essa etapa.
John Izzo é autor de um livro chamado The Five Secrets You Must Discover before You Die (Os cinco segredos que você precisa descobrir antes de morrer, em tradução livre).
A obra é baseada em 250 entrevistas realizadas junto a pessoas cuja faixa etária variou de 59 a 106 anos de idade.
Os entrevistados foram solicitados a refletir sobre suas vidas e carreiras. Embora a amostra fosse bem diversa, variando de barbeiro a CEO( O executivo nº 1 da empresa), os temas que emergiram foram claros.
A primeira conclusão que o autor tirou é que as pessoas não se arrependem de seus fracassos e que a maioria lamenta não ter arriscado mais.
Muitos seguem as carreiras com medo de fracassar, mas Izzo descobriu que tentar e falhar é algo com o qual conseguimos lidar.
As pessoas mais felizes sentiam que tentaram realizar seus sonhos e cresceram, tanto na vida pessoal quanto profissional.
Logo, parece que nos arrependemos mais por não termos tentado realizar um sonho, do que por falhar ao tentar realizá-lo.
Isso é especificamente interessante porque a maioria de nós pensa que fracassar é a pior coisa que pode acontecer mas, no final das contas, não tentar ou permanecer na zona de conforto de nossas carreiras é exatamente o que nos preocupa.
O equilíbrio entre vida profissional e pessoal é atualmente um tópico tão relevante no mundo dos negócios que eu, particularmente, fiquei interessado em saber de que maneira essas entrevistas poderiam nos ensinar a conduzir as escolhas que fazemos.
O que Izzo descobriu é complexo: enquanto muitas pessoas se arrependem de ter se focado muito no trabalho, em detrimento dos relacionamentos e buscas pessoais, outros fizeram o mesmo sacrifício mas não se arrependem.
O pesquisador diz: "O que ocorre é que ao navegarmos pelas escolhas disponíveis para equilibrar vida profissional e pessoal, todos nós temos uma voz interior conversando conosco.
Àqueles que essa voz diz que há excesso de sacrifício ou que não estão sendo verdadeiros com si mesmos, os arrependimentos são profundos".Resumindo: se você acha que o binômio trabalho-vida pessoal não está funcionando direito, é porque provavelmente não está mesmo.
Nas entrevistas, muitas pessoas disseram que consideram importante aprender e crescer na vida profissional I e que quanto mais nos mantemos aprendendo, mais sucesso obtemos. "Basicamente, essas pessoas nunca ficaram presas a rotinas; estavam sempre tentando aprender com pessoas mais experientes e inteligentes", diz Izzo.
O item mais importante que o autor aprendeu sobre "os arrependimentos" é a importância de ser verdadeiro com si próprio.
Muitos entrevistados disseram que, analisando o passado, lamentavam ter sido muito influenciados pela opinião dos outros. E disseram como consideravam, hoje, absolutamente crítico seguir sua própria definição de sucesso. Por exemplo, não aceitar a promoção ou emprego porque outros disseram que essa é a ordem natural das coisas ou perguntar a si mesmo se esse é o passo que deseja tomar.Uma última lição aprendida das pessoas entrevistadas: status e poder não são itens que causarão saudade quando olharem para trás.
Em vez disso, muitas pessoas disseram que são as coisas para as quais se doaram e as pessoas que ajudaram a crescer, que darão a elas a sensação de satisfação.Por fim, o comentário do barbeiro entrevistado: "A definição de sucesso não é representado pelo dinheiro na sua carteira e sim pelo número de almas que você tocou."Uma curiosidade: tanto o barbeiro quanto o CEO entrevistados pensam da mesma maneira sobre isso.

*Fonte: Harvard Business On-line - junho de 2008Páginas 12Goldsmith, MarshallO autor trabalha com mais de 80 CEOs de corporações em todo o mundo e escreve no blog Ask the Coach da Harvard Business On-line.

Vale a reflexão

abraço
"ALTEMARKETING"

domingo, 19 de março de 2017

PORQUE ÓTIMOS PROFISSIONAIS SÃO DEMITIDOS

O MUNDO COORPORATIVO 1:
Outro dia, me fizeram uma pergunta muito interessante:
Muitos profissionais, são inteligentes, tem grande conhecimento técnico, gostam de trabalhar e das empresas que trabalham, ( literalmente vestem a camisa), chegam cedo e saem tarde, são honestos e ótimos nas soluções dos problemas da organização (muitas vezes resolvem problemas a pedido dos superiores, que não diretamente estariam ligados a ele ou ao departamento). Seus trabalhos, chamam a atenção positivamente, muitas vezes, são elogiados até mesmo pela Diretoria tendo a confiança deles, e recebendo seus chamados diretamente (“pulando” a chefia imediata desses profissionais).
São dedicados, seus nomes são sinônimos de trabalho, tem boa índole, não querem prejudicar ninguém, procurando apenas fazer bem feito aquilo que se propõem ou pedem para eles fazerem, mesmo assim são demitidos. Qual a razão??

Inicialmente, eu diria que um grupo incomodado, pode influenciar a Diretoria a tomar essa decisão de demiti-los na menor falha, mesmo sendo esses profissionais comprometidos com o trabalho.
O mundo coorporativo, está repleto de desconfianças e de pessoas que ficariam torcendo para esses profissionais “caírem”, até mesmo como sendo forma de defesa.
Os profissionais competentes, tem quase que a “missão”, de provar ao grupo que apenas trabalham bem, e não tem o sentimento de prejudicar ninguém.
Há também, situações conflitantes na administração, quando a pedido de um superior o profissional é solicitado a fazer a tarefa que seria de outra pessoa ou departamento.
Nesse caso, aquele que tem sua área “invadida” sente-se prejudicado com o sucesso do outro e aquele que foi “convidado” a fazer determinada tarefa que em teoria pertenceria a outra pessoa ou área, sente que está sendo testado, e seu erro, significaria incompetência para atender uma solicitação superior.
Notadamente, esses pedidos da chefia, para obter a solução através do outro colaborador podem ter em síntese 3 razões:

1 - A reação de ambos colaboradores, de forma que o sucesso de um, sirva de exemplo ao(s) outro(s) como fator motivacional; .
2 - Área ou profissional sobrecarregado que demandaria algum tempo para a nova tarefa, sendo que a Direção não pode esperar para ter a solução por isso pede a outro a intervenção;
3 – Confia no outro profissional, para uma rápida solução.

Qualquer que seja a situação, gostaria de passar algumas dicas:
1 – Equilíbrio emocionalMuitas pessoas mudam quando são pressionadas, cada um reagindo de uma forma, alguns se desesperam e “travam”, outros vão para cima do problema até resolvê-los, isso é ótimo é verdade, ( as empresas gostam de “tratores”), mas tem que ser um “trator” diferente, e aprender a olhar para o lado. É importante manter a serenidade e conhecer seus limites e de seus colegas, detectando uma falha, conduza a situação de forma a não parecer o “salvador da pátria”, mesmo que sua intenção seja apenas cumprir com sucesso aquilo que foi pedido .

2 - Trabalhar em equipe

É importante o diálogo entre colegas e deixar claro, que está fazendo aquilo por pedido da chefia, mas que você propõe que os 2 possam fazem em conjunto ou buscar a solução em conjunto. Tenha o Feed-Back do colega se terá tempo para lhe ajudar e caso contrário, como ele entenderá sua intervenção.
Caso você tenha feito sozinho a tarefa, ao concluí-la apresente o resultado ao “dono” da área ou tarefa, participando-o de forma que opine e você possa levar ao conhecimento do superior solicitante, que mesmo você fazendo, pôde contar com a experiência do outro e que se descoberto algum erro, foi descoberto por ambos, que se ajudaram mutuamente.
Isso será muito produtivo para futuros trabalhos, no qual não te verão como “ameaça” .
3 – Relacionamento InterpessoalPode ser um grande facilitador na busca de melhores resultados, contando com as pessoas a colaborarem com você espontaneamente ( isso é importante). Nesse sentido aprendi como é importante o relacionamento no trabalho.
Aquele simples e rápido “papo” no cafezinho, horário de almoço, reuniões informais, festas, tomam verdadeiras proporções, de forma positiva.
Esse relacionamento proporciona uma maior compreensão sobre você, permitindo que de forma positiva possam colaborar com o seu sucesso e em caso de você errar, estarão do seu lado, compreendendo a situação, e não mais “torcendo” para que você cometa erros.
Note como uma mesma característica, pode ser vista de formas diferentes, dependendo de quem a vê : Em azul, o grupo que “gosta” de você ou que você se relaciona e em vermelho o grupo que “não gosta” de você ou que você simplesmente não mantém contato, muitas vezes até mesmo por certa timidez:


INSISTENTE: PERSEVERANTE /
TEIMOSOTRABALHADOR: DEDICADO / “PUXA-SACO”RETRAÍDO: TÍMIDO / ANTIPÁTICOSOLUCIONADOR: COMPETENTE / PRETENSIOSOQUIETO: CONCENTRADO / ORGULHOSO

São apenas alguns exemplos, mas perceberam a diferença para a mesma situação???
Concluo dizendo que muitos profissionais, falham no aspecto relacionamento, mas tudo é um aprendizado, sendo importante se esse for o seu caso, você mesmo se auto corrigir e se dar a chance de mudar.
UMA FRASE:
Você não pode ser como os Dinossauros, que foram extintos por não se adaptarem ao meio.
Espero que possa ter te ajudado e motivado você a superar sua timidez e se relacionar melhor.
Um abraço

ALTEMARKETING

domingo, 12 de março de 2017

VENDER É UMA ARTE, QUE PRATICAMOS O TEMPO TODO.


Lembro-me como se fosse hoje:  Um professor, com muita convicção nos ensinava que “todos nós somos vendedores”.

A sala repleta de executivos da área administrativa, nos quais imaginando o estereótipo do vendedor abordando clientes, despertou atenção e eles retrucaram.

Foi muito interessante, pois  aprendemos naquele dia (que diga-se de passagem, pra surpresa de muitos),  que até  mesmo quem trabalha em escritório na área administrativa e não tem contato com clientes,  é também um vendedor.

Ficou claro, que vendas é um conceito muito mais amplo e que na verdade, todos nós usamos a venda o tempo todo independente de nossa profissão. Para isso, basta haver duas pontas de interesse (no mínimo), em algo.

Inclusive, mesmo quem trabalha em uma área administrativa, antes do cliente receber a mercadoria, o pedido teve que ser "vendido" internamente, seguindo todo um  tramite até chegar nas mãos dele,  passando pelo atendimento,  faturamento, financeiro, contabilidade, estoque  etc.

 Até mesmo quem trabalha em outras áreas, como por exemplo Saúde, também em seu contato com os clientes nos consultórios está "vendendo os serviços" ao tratá-los bem e atendê-los satisfatoriamente.

Como se não bastasse, usamos inconscientemente técnicas de vendas, o tempo todo, quer ver? Vou citar duas:

A.I.D.A :

Antes que você me pergunte, não é que a técnica pertence a uma mulher chamada AIDA ou ainda esteja me referindo a AIDA famosa ópera de GIUSEPPE VERDI.

Trata-se de uma sigla onde A, de atenção I, de interesse D, de desejo e A, de ação.

Pegaremos, como exemplo você com interesse de ir ao cinema querendo ir com alguém especial.

Primeiro você chama a atenção sobre o filme, depois desperta o interesse informando sobre do que se trata, se é comédia romântica, aventura etc , em seguida argumenta despertando o desejo da pessoa em relação a qualidade do filme, fala sobre atores ou até mesmo comenta que um amigo seu viu e gostou muito, e finalmente você provoca a ação mostrando em qual cinema de qual shopping está passando e os horários.

ALTERNATIVA POSITIVA:

Ainda no exemplo do cinema você em tom mais convincente:

Você vai me levar para assistir o filme “Tal” no sábado ou no domingo? Ou seja qualquer que seja a resposta ela vai ao encontro do que você quer ou seja ir ao cinema.

Viu? E você nem sabia que era um expert usando técnicas de vendas para ter seus objetivos alcançados, não é mesmo?

Brincadeiras a parte, tenho presenciado que muitas pessoas não tem (principalmente no comércio), sabido vender corretamente.

NÃO VENDA PREÇO VENDA O BENEFÍCIO

Gostaria de dar um exemplo de um batom:

A mulher não compra aquele tubinho muitas vezes dourado, como característica apenas do objeto. O que ela compra na verdade é a certeza de que ficará mais bonita ou seja as pessoas compram o benefício e não o produto.

Sabendo isso, você ao oferecer um determinado produto ou serviço, não se apegue apenas ao preço, dê detalhes, mostre o benefício e como que vai ser o resultado, faça seu cliente compreender o motivo que tem esse valor.

INVESTINDO OU GASTANDO? FAÇA O CLIENTE ENTENDER A DIFERENÇA

No caso de um serviço, mostre o antes e o depois de um outro cliente para que ele sinta a comparação.

TORNE TANGÍVEL A SATISFAÇÃO

Se o cliente se interessou por determinado serviço que viu na tabela ou no folheto ou na propaganda etc pergunte se ele sabe detalhadamente o que é exatamente aquele serviço e mostre os detalhes do que vai ser feito.

REVERTA UM PROBLEMA A SEU FAVOR

Quando um cliente compara 2 produtos iguais com preço diferentes, sendo que o seu preço é maior, você deve basear seu argumento na diferença.

Exemplo:

Produto X - empresa A custa R$ 10,00

Produto X – na sua empresa o mesmo produto custa R$ 12,00

A questão não é R$ 10,00 ou R$ 12,00 a questão é R$ 2,00, e o que você pode fazer para que o cliente esteja disposto a pagar R$ 2,00 a mais na sua loja.

argumento de local – Compensa ele atravessar a cidade para ir no concorrente?

argumento do brinde – Ele paga R$ 2,00 a mais, mas em compensação você dará algo para ele que custa R$ 3,00 ( ou seja ele ainda sai ganhando R$ 1,00 em relação ao concorrente)

- argumento de benefício – Diga que esses mesmos R$ 2,00 você poderá conceder de desconto em um outro produto (técnica up selling e cross selling lembra?).

Se não lembra veja abaixo o link:

http://altemarketing.blogspot.com.br/2016/06/vendas-up-selling-e-cross-selling.html

Finalizando, você deve estar me perguntando o que tem o Che Guevara, a ver com tudo isso?

Ora, ele nos ensina que   até  um NÃO se for bem argumentado é aceito e ele sabia bem disso, como lider  da revolução Cubana ao repetir sua famosa frase:

"Hay que endurecer-se, pero sin perder la ternura, jamás!" (Che Guevara)

Vale a reflexão !

Um abraço

"ALTEMARKETING"


CONTATO:

E-mail:

 

domingo, 5 de março de 2017

MARKETING: ANÁLISE DE INFORMAÇÕES


Hoje, quero "falar" sobre uma análise consagrada em Marketing, mas muito simples e importante para que você possa colocá-la em prática em seu negócio, seja ele qual for, trata-se da análise SWOT.


A palavra SWOT (é um acrônimo de Strengths (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities(oportunidades), Threats (ameaças).


Essa análise sugere que você tenha uma visão ampla da situação, colocando em um quadrante (veja acima), todo o cenário da empresa.


É interessante mencionar que quando você coloca no papel e escreve, observando/analisando toda situação, parece que tudo fica mais claro. É como se existisse um buraco e uma coisa é você analisar estando dentro dele, outra coisa é você analisar a situação estando de fora dele.

Claro, que você identificando suas fraquezas e suas ameaças tem que criar mecanismos para corrigir.


A metodologia é simples e divide-se em:



AMBIENTE INTERNO: (alguns exemplos)



FORÇAS:

Quais os pontos positivos que você tem em sua empresa:
* Veículo próprio;
* Boa localização;
* Bom estoque de mercadoria;
* Profissionais treinados e efetivos;
* Capital de reserva para investimento;
* Dados atualizados no computador dos clientes: Nome, Endereço, Tel., última
compra etc, etc;
* Espaço fisico para crescimento;
* Bons fornecedores (recomendo pelo menos 2 de cada produto);
* Banco de Dados de Curriculuns de bons profissionais (prontos para serem chamados em caso de necessidade de você substituir alguém).
 
FRAQUEZAS

Quais os pontos negativos que você tem em sua empresa:
*Falta de um ou mais ítens mencionados acima como forças;
*Má administração;
*Despesas pessoais lançadas como despesa da empresa;
*Falta de equipamentos ou utilização de equipamentos ultrapassados ( obsoletos);
*Baixa produtividade;
*Equipe demostivada ou sem compromisso (faltas);
* Mão de obra desqualificada (não atualizada com as novas técnicas);
* Falta de organização do que é importante em sua empresa: RH, Financeiro, Contas a pagar, Contas receber etc;
*Falta de produtos ou serviços ( que a concorrência tem e pode oferecer).




AMBIENTE EXTERNO: (Alguns exemplos)




OPORTUNIDADES:


*Fazer Up-selling e Cross-selling em sua vendas (já falei sobre isso no post
*Criar ações promocionais (Ex. "indique um amigo", "leve 2 e ganhe desconto em dobro", "preencha e cupom com seus dados e concorra a um prêmio",etc);
*Manter sempre contatos com os clientes;
*Observar a concorrência (produtos e serviços), e oferecer o que eles não oferecem;
* Chamar os fornecedores (principalmente os grandes) e solicitar apoio: Marketing
(comunicação visual no PDV, amostra grátis), produtos, serviços,
treinamento, descontos etc.

 
AMEAÇAS:
*Custos altos em relação ao retorno (aluguel, água, luz, manutenção do carro, etc);


*Sua administração mal feita;
*Sua desorganização ( contas a pagar, receber etc);
*Sua falta de comunicação com os clientes (deixando de se aproximar);
*Sua falta de contato com a concorrência (sabendo o que tem melhor que você);
*Sua falta de investimentos corretamente aplicados (em produtos, em pessoas, etc);
*Um concorrente próximo bem equipado e com bom estoque de mercadorias;
 

Como eu disse, nada adianta se você ao identificar o que deve ser corrigido/melhorado, não tomar nenhuma providência.
 

Em administração de empresas há uma aplicação técnica chamada: RELATÓRIO DE CONTINGÊNCIA, (você se antecipar ao problema preparando as providências) mas isso vou falar no próximo post, fique atento.
 
um abraço e até a próxima Segunda-feira.

 

"ALTEMARKETING"